2. Configuração de rede

O Linux, sendo um verdadeiro filho da Internet, oferece todos os recursos necessários à conexão a múltiplas redes. Todas as ferramentas comuns de interconexão em rede estão disponíveis no Linux, permitindo assim que máquinas Linux façam parte de qualquer rede.
O Linux suporta quase todos os tipos de placa de rede (Ethernet, ArcNet, TokenRing) e conhece quase todos os protocolos de rede (TCP/IP, AppleTalk, IPX). Iremos discutir o caso genérico (integração do Linux a uma rede TCP/IP através de uma placa ethernet). A última informação sobre outras redes é encontrada no diretório Documentation dos fontes do kernel. A função help do kernel fornecerá informações adicionais úteis.
A configuração de rede na distribuição da SuSE, pode ser feita quase que totalmente pela ferramenta YaST. O YaST facilita o trabalho de configuração para quem não tem muita intimidade com o Linux.

2.1. Requisitos e trabalhos preliminares

Os seguintes requisitos devem ser satisfeitos:
  • Sua máquina deve possuir uma placa suportada. Uma vez que ela seja inicializada corretamente, ela pode ser vista com o comando seguinte:
    earth:/ # cat /proc/net/dev
  • Deve haver uma linha começando com eth0.
  • O kernel deve ter sido corretamente configurado para utilizar rede.
Se o suporte do kernel usa módulos, o nome do módulo deve ser colocado em /etc/conf.modules. Para a sua primeira placa ethernet, isto pode ser visto como:
alias eth0 tulip
Isto é feito automaticamente se você selecionar o módulo de rede no Linuxrc durante a instalação. Depois, isto pode ser feito utilizando o YaST.
Se estas condições são satisfeitas, existem algumas coisas a serem pensadas antes de iniciar a configuração de sua máquina:

Hostname O nome da sua máquina na rede. O hostname não deve exceder 8 caracteres e não deve estar em uso na rede local.
Endereço IP O endereço de sua máquina na rede. Cada máquina deve obter pelo menos um endereço IP. Este endereço é uma palavra de 32 bits e, na maioria dos casos, é dado como uma quádrupla (por exemplo, 193.141.17.1).
Ao escolher um endereço IP, você deve considerar se planeja conectar-se à Internet em um futuro próximo. Se for, recomenda-se utilizar um IP registrado desde o início.
Se você possui apenas uma rede local privada, há algumas faixas de endereços definidos pelo pseudo-padrão RFC1597 assegurando que, mesmo que algum destes endereços "escape" para a Internet, isto não causará nenhum dano. Os endereços privados são mostrados abaixo:
RedeMáscaraClasse
10.0.0.0 10.255.255.255 A
172.16.0.0 172.31.255.255 B
192.168.0.0 192.168.255.255 C
Alguns endereços IP não são destinados a computadores, mas tem funções especiais. Por exemplo, o endereço 192.168.0.0 representa a rede em si, e 192.168.255.255 é o endereço de broadcast a qual pertence.
Nome do domínio O nome do domínio ao qual sua máquina pertença. Domínios ajudam a estruturação de redes grandes (por exemplo, a Internet). Um computador é endereçado através de seu nome completo, que é formado por um hostname e por um nome do domínio. Gauss.Suse.de é a máquina Gauss no domínio Suse.de.
Endereço do gateway Se o computador tiver necessidade de acessar outra rede, você pode fornecer o endereço do gateway (um computador ou equipamento de rede que está conectado a mais de uma rede e que é capaz de transportar pacotes de uma rede para outra) durante a configuração da sua rede.
Máscara de rede Através da máscara de rede fica claro a qual rede pertence uma máquina.O endereço IP é somado à mascara de rede por um E lógico. Assim, a parte do host é extraída, sobrando o endereço de rede como resultado.
Endereço do servidor de nomes Servidores de nome provêem DNS (Domain Name Service) para transformar hostnames em endereços IP. Se há um servidor de nome alcançável na rede e você deseja utilizá-lo por default, forneça o número IP dele durante a configuração da rede.

2.2. Configurando a interface de rede com o YaST

  1. Faça o login como root.
  2. Inicie o YaST e vá para o menu

    System administration => Network configuration => Network base configuration

  3. Agora selecione um número livre, por exemplo, 0.
  4. Tecle F5 e selecione a interface de rede de sua placa (como por exemplo placa Ethenet, ISDN, Modem PPP, Token Ring, ...). Saia deste diálogo pressionando Continue.
  5. Agora tecle F6 (IP addresses) e entre o número IP de sua máquina (por exemplo, 192.168.200.1). A seguir você deve fornecer a máscara da rede. Para uma rede classe C (até 254 máquinas em uma sub-rede) esta é tipicamente 255.255.255.0. Então você deve fornecer o endereço do gateway. Se não há gateway em sua rede, deixe esta entrada em branco.
  6. Saia deste diálogo selecionando Continue.
  7. Ative a rede teclando F4.
  8. Teclando F10 você salva a configuração. Esc sai do diálogo abandonando as alterações.
  9. Change hostname permite você fornecer ou trocar o nome de sua máquina. Você precisa fornecer também o nome do domínio ao qual a máquina pertence.
  10. Configure network services permite definir se inetd, portmapper ou servidor de NFS devem ser disparados. Você pode fornecer o nome a ser enviado em artigos de news de USENET.
    • inetd é necessário para invocar certos serviços sob demanda, como telnet, finger, ftp e outros. O inetd deve ser sempre disparado, caso contrário alguns serviços não ficarão disponíveis. Para sistemas seguros, é melhor limitar os serviços a serem disparados.
    • Se você quer usar esta máquina como servidor NFS ou NIS, você deverá disparar o portmapper na inicialização do sistema. Se você decidir disparar o portmap, será perguntado se deseja disparar o servidor NFS também.
  11. Configure nameserver permite assinalar um ou mais servidores de nome. Podem ser fornecidos até três números IP.
  12. Configure sendmail permite instalar a configuração básica do sendmail.
Adicionalmente, há algumas configurações no arquivo /etc/rc.config que você pode achar útil na configuração de sua rede. Agora o YaST dispara o SuSEconfig que faz as alterações nos respectivos arquivos. Para que as alterações sejam efetivadas, é necessário reiniciar os daemons. Isto pode ser feito digitando:
earth: ~# rcnetwork restart

2.3. Roteamento no SuSE Linux

A definição da tabela de roteamento no SuSE Linux não é feita através de variáveis no arquivo de configuração central /etc/rc.config, mas através de um script especial em /sbin/init.d e outro arquivo de configuração em /etc.
Após a rede ter sido inicializada pelos scripts em /sbin/init.d/network, i4l_hardware e possivelmente outros scripts adicionais, /etc/route.conf é pesquisado por rcroute para construir a tabela de roteamento. Esta tabela é então configurada para o sistema.
Qualquer rota estática necessária deve ser adicionada a /etc/route.conf: rotas para uma máquina, rotas para uma máquina através de um gateway e rotas para uma rede.
Outra possibilidade é utilizar o programa routed. Mas esta configuração é mais difícil. Para mais informações, favor ver a página do man do routed.

Como usar o /etc/route.conf

As regras que se aplicam ao /etc/route.conf são adaptadas da saída do programa route. Se o route é chamado sem parâmetros, a tabela de roteamento em uso é mostrada. Exceto por Flags, Metric, Ref e Use, as entradas em /etc/route.conf são idênticas.
Aqui, damos algumas regras que se aplicam a /etc/route.conf
  • Linhas começando com # ou linhas em branco são tratadas como comentários. Uma entrada consiste de uma linha com 2 a 4 colunas.
  • A primeira coluna é o destino de uma rota. Aqui, pode ser fornecido o endereço IP de uma máquina, de uma rede ou de um servidor de nome alcançável. Pode ser dado o nome completo (Full Qualified Domain Name - FQDN).
  • A palavra-chave default marca o gateway default. Por favor não utilize 0.0.0.0.
  • A segunda coluna contém um separador ou um endereço IP (ou o FQDN) de uma máquina. Esta máquina deve ser um gateway default ou um gateway para uma máquina ou uma rede.
  • A terceira coluna é a máscara para máquinas ou redes atrás um gateway. Para máquinas atrás de um gateway ela é 255.255.255.255.
  • A última coluna somente é importante para dispositivos de rede (loopback, Ethernet, ISDN, PPP, dispositivo dummy, ..) conectados à máquina local. Aqui deve ser definido o dispositivo.
Se novas entradas são adicionadas a /etc/route.conf, simplesmente digite:
root@earth:~ # rcroute reload
para estabelecer a tabela de roteamento com as novas entradas.

2.4. Conectando à Internet

Agora vamos mostrar como estabelecer conexões com redes remotas: Wide Area Networks, ou WANs, e a Internet. E como estabelecer os serviços que usam estas conexões.
Existem dois protocolos de comunicação padrão conhecidos no mundo UNIX: o UUCP e o TCP/IP (via modem ou ISDN). Enquanto o UUCP (Unix to Unix Copy) é primariamente projetado para transportar e-mail e news, o TCP/IP fornece uma verdadeira conexão de rede que supre todos os serviços a uma LAN. Na maioria das vezes, o TCP/IP é executado através de um modem usando uma conexão SLIP (Serial Line Internet Protocol) ou uma conexão PPP (Point to Point Protocol).

2.4.1. PPP

O PPP (Point to Point Protocol) habilita o estabelecimento de uma conexão TCP/IP através de uma linha serial. Cliente e servidor podem se comunicar durante o estabelecimento da conexão e definir os parâmetros necessários apropriadamente. O servidor pode configurar um endereço IP e mesmo um nome para o cliente.
Além disto, o PPP é um protocolo padrão (enquanto o SLIP, não) e normalmente é o único protocolo oferecido pelos ISPs.
O daemon PPP, pppd, que é utilizado para a comunicação com os vários dispositivos, e possui um papel vital e central em conexões PPP. Este daemon pode servir tanto como servidor quanto cliente.
Para realmente estabelecer uma conexão, é necessário o programa wvdial ou chat.

Requisitos para o uso de PPP

Os seguintes ítens são necessários para utilizar PPP no SuSE Linux:
  • O kernel deve ter incluso o suporte para TCP/IP e PPP. Isto é o caso do kernel padrão e os módulos pertencentes a ele - não é necessário recompilar o kernel.
  • Os pacotes de rede devem estar instalados. Os pacotes necessários são nkita e nkitab, serie a.
  • O pacote básico do PPP, pacote ppp, série n, que inclui o pppd e o script chat.
  • O pacote wvdial, série n, para estabelecer e fechar a conexão.
  • Você precisa saber o login e a senha do servidor PPP.
Discagem à Internet: PPP com wvdial

O programa wvdial é uma ferramenta poderosa utilizada para fazer conexões analógicas para Internet Service Providers, ou ISP. Uma vez que estes ISPs utilizam configurações diferentes em seus protocolos PPP, pode ser exaustivo encontrar as opções corretas. O wvdial resolve isto por meio de algoritmos inteligentes. No passado, era sempre necessário especificar no Linux o servidor de nomes (DNS - Domain Name System) do ISP para fazer uma conexão à Internet. Com o wvdial, isto não é mais necessário: ele automaticamente reconhece o servidor de nomes do provedor, garantindo que esta informação se torne disponível.


Configuração do wvdial

Você pode configurar o wvdial confortavelmente utilizando o YaST. Vá até o menu:
System Administration -> Network Configuration -> Configure a PPP network
Proceda como a seguir:
  1. Certifique-se de que já tenha instalado o modem no YaST; isto já poderá ter sido feito durante a instalação.
  2. Selecione o ítem de menu Configure the current Profile.
  3. Entre o número do telefone, a identificação do usuário e a senha.
  4. Selecione a configuração de servidor de nome automático. Se isto não funcionar, você deve especificar o servidor de nome no YaST, olhar o tópico 2.2. Configurando a interface de rede com o YaST ítem 11.
  5. Selecione o modo de discagem. Normalmente é por tom, depende da central telefônica.
  6. Se você está conectado a um PBX (Private Branch Exchange), você deve marcar o ítem Modem on PBX (no dialtone); assim não será esperado o tom de discar.
  7. Para o modo de aceitar ligações, deve ser escolhido PAP/CHAP Autenthication mode.
  8. Feche o sub-menu.
  9. Após a configuração do provedor, você deverá ir para o reconhecimento do modem. Simplesmente selecione o ítem Autodetect Modem.
    OBS: Se você possui um "winmodem" (onboard), provavelmente ele não será detectado pelo Linux, no site Linmodems.org você encontrará um driver para o seu modem.
  10. Se isto funcionar, selecione o ítem Run WvDial. Você verá uma janela onde aparecem diversas mensagens.
  11. Quando você ver a mensagem indicando que o processo PPP foi iniciado, você pode começar a usar a Internet.
  12. Para verificar se a conexão foi realmente feita, você precisa abrir uma janela de terminal (no KDE: ALT+F2 e então digitar xterm. Na janela do terminal, digite:
    earth: # su
    e então digite a senha do root. Depois você deve digitar:
    earth: # tail -f /var/log/messages
    Você agora pode ver qualquer mensagem do sistema que possa aparecer. Quando você ver linhas com Local IP: e Remote IP: - seguidas por um número IP - você terá certeza que a conexão com a Internet foi estabelecida.
  13. Termine o acesso à Internet com Ctrl+C.
  14. Se tudo funcionar, você pode iniciar o acesso à Internet da linha de comandos, simplesmente digitando wvdial e terminado a conexão com Ctrl+C. Se você quiser ser capaz de fazê-lo como usuário normal (isto é, não como 'root'), você deve incluir o respectivo usuário nos grupos 'uucp' e 'dialout'.
  15. Você pode alterar a configuração mais tarde sem utilizar o YaST, usando o programa wvdial.lxdial ou em modo gráfico, com wvdial.tcl. Estes só podem ser executados pelo 'root'.
  16. Você pode encontrar documentação sobre o wvdial no diretório /usr/doc/packages/wvdial.
2.4.2. ISDN

Além das características ¨normais¨ de rede, o Linux pode se conectar ao seu ISP através de ISDN. A maior parte disto pode ser estabelecida pelo YaST, tornando a configuração de ISDN no SuSE Linux simples e direta.
ISDN tem uma grande diferença em relação a uma conexão utilizando modem - uma vez que a rede foi definida e configurada, nenhum comando adicional é requerido. Isto é denominado ¨sob demanda¨. Assim que você inicia, por exemplo, uma sessão telnet, a conexão será estabelecida. Isto normalmente demora cerca de três segundos. Assim, é possível deixar que usuários ¨normais¨ estabeleçam uma conexão. Você pode definir um tempo ocioso. Este é o período de tempo após o qual a conexão será desfeita se todos os processos que dependem da conexão permanecerem ociosos.
Durante a configuração de seu sistema ISDN, é recomendado verificar atenciosamente as mensagens no arquivo /var/log/messages. Simplesmente dispare outro xterm ou faça login em outra console e digite:
earth: # tail -f /var/log/messages
Assim, você irá ver cada linha que é adicionada ao /var/log/messages.

O SuSE Linux inclui o pacote isdn4linux, que inclui, além dos drivers de hardware e interfaces de rede, emulação de modem (apenas modems digitais). Inclui até software para atender telefone.
O driver do hardware ISDN é iniciado pelo script rci4l_hardware. A configuração da parte ISDN é feita pelo isdnctrl (veja: man isdnctrl). As interfaces de rede são configuradas da mesma forma que interfaces Ethernet padrão pelo ifconfig (veja: man ifconfig) e pelo route (veja: man route). No SuSE Linux, o rci4l realiza esta tarefa. Todas as ações tomadas são baseadas nas entradas em /etc/rc.config. Os nomes dessas entradas lembram, quando possível, as opções do isdnctrl.
O script rcroute estabelece o roteamento para os dispositivos definidos em /etc/route.conf. O estabelecimento de uma conexão é feito pelo isdnctrl, seguido pelo rci4l, usando os parâmetros dados em /etc/rc.config. Estes parâmetros podem ser listados digitando:
earth: # isdnctrl list all
Assim que alguém requisita um serviço ISDN (isto pode ser feito por um usuário ou por uma aplicação), a conexão é estabelecida.

Requisitos

Para a criação com sucesso de uma conexão com o SuSE Linux, você precisa:
  1. de uma conexão ISDN
  2. de um controlador ISDN suportado
  3. do SuSE Linux instalado
  4. de um dos kernels SuSE Linux padrão (no CD)
    OBS:Você não precisa compilar um kernel ! Se você deseja, de qualquer forma, compilar um kernel, certifique-se de utilizar os fontes do pacote lx_suse, série d !
  5. do pacote kernmod, série a
  6. do pacote i4l, série n
  7. da documentação encontrada no pacote i4ldoc, série doc (recomendado)
O que você precisa saber:
  1. o tipo do seu controlador ISDN
  2. a configuração do controlador - IRQ, endereço do porto, etc. (dependendo do tipo)
  3. o protocolo ISDN a ser usado
  4. 1TR6: (velho) ISDN alemão
  5. DSS1: Euro-ISDN
Configurando o hardware ISDN com o YaST

O driver em si é fornecido por um módulo carregável do kernel. Você não precisa reinicializar seu sistema. Controladores ISDN padrão são suportados pelo driver HiSax.
Alguns controladores, como por exemplo o ICN e o AVM-B1 e placas PnP, podem não ser ainda configuráveis através do YaST. Eles requerem tratamento especial. Favor ver as configurações para controladores ISDN mais adiante.
Aqui está como proceder passo a passo:
  1. Faça login como usuário 'root'.
  2. Inicie o YaST
  3. Selecione o menu:
    System Administration -> Integrate hardware into system -> Configure ISDN hardware
  4. A seguir, forneça os seguintes parâmetros:
    • Start I4L: O ISDN somente será disparado se isto for ativado. Assim, você terá certeza de que o ISDN será automaticamente disparado durante a inicialização do sistema.
    • ISDN protocol: Aqui você pode escolher entre o velho ISDN alemao (1TR6) ou o padrão Euro-ISDN (EDSS1). Observe que um PBX frequentemente ainda utiliza 1TR6.
    • ISDN controller type Selecione o controlador ISDN suportado. Favor ver em /usr/doc/packages/i4l/README.SuSE a respeito de controladores PnP e para PCMCIA.
    • Controller ID Você deve deixar isto inalterado em Tel0.
    • Interrupt, Memory base address, IO port,ISAC, HSCX: Dependendo da placa utilizada, podem ser necessárias algumas configurações adicionais. Apenas os parâmetros disponíveis para o dispositivo são habilitados. Os outros ficam desabilitados.
    • ISDN options: Isto deve ficar vazio !
      Teclando F1 você terá ajuda adicional.
  5. Agora confirme pressionado 'Start'.
    Isto é um teste: o módulo será carregado e as mensagens na janela irão dizer se a placa foi configurada corretamente.
    Se OK: Confirme pressionado 'Save'.
    Suas configurações serão escrita em /etc/rc.config. Serão as configurações reais até você modificá-las. Após o teste, o driver permanecerá carregado.
    Se falhar: Verifique e altere os parâmetros.
    Nao se esqueça de ver /var/log/messages. (Você se lembrou de abrí-lo, não ?)
    Possíveis problemas podem ser:
    • Algumas placas não podem utilizar IRQ 12 ou 15.
    • Os endereços e IRQ fornecidos já estão em uso. Remova (apenas para teste) todos os controladores que não são necessários para o teste (por exemplo, placas de som e rede).
    • O módulo já foi carregado. Para removê-lo, vá para outra console e digite:
      earth: # rmmod hisax
    • A placa utilizada é um dispositivo PnP. Veja /usr/doc/packages/i4l/README.SuSE para mais informações.
    • Sua placa não é suportada pelo HiSax (por exemplo, ICN e AVM-B1).
      Obtenha mais informações no arquivo: /usr/doc/packages/i4l/README.SuSE.
  6. Saia do YaST.
  7. Configure o isdnlog.
    Você deve configurar o isdnlog antes de disparar os módulos. Sua tarefa é supervisionar todas as atividades no sistema de barramento S0.
    Você precisa agora adaptar os seguintes arquivos às suas necessidades:
    • /etc/isdn/isdn.conf
      As seguintes variáveis devem ser configuradas:
      COUNTRYPREFIX = + : prefixo do país onde você irá utilizar o isdn4linux.
      COUNTRYCODE = 55 : código do país, no caso o Brasil é 55.
      AREAPREFIX = 0 : código da área ou DDD, sem o zero.
    • /etc/isdn/callerid.conf
      Aqui você define todos os números de telefone conhecidos. Você verá seus nomes em lugar de seus MSNs em /var/log/messages quando disparar isdnrep.
      Veja nosso exemplo abaixo, seu número é 4711 e o número de seu ISP é 4712:

      [MSN]
      NUMBER = 4711
      SI = 1
      ALIAS = myself
      ZONE = 1

      [MSN]
      NUMBER = 4712
      SI = 1
      ALIAS = ISP
      ZONE = 1

    • /etc/isdn/isdnlog.isdnctl0.options
      Aqui você pode definir as opções para o isdnlog. Normalmente, isto não é necessário.
  8. Agora digite os comandos:
    earth: # init 1
    earth: # init 2
    reinicializando assim todos os serviços de rede. Você pode também ativar o ISDN com o YaST ou reinicializando a máquina, se preferir.
2.4.3. ADSL

Acesso à Internet usando a tecnologia DSL (Digital Subscriber Line), incluindo ADSL, T-DSL, T-ISDN-DSL, etc. No Linux, é possível utilizar o acesso à Internet pelo modem ADSL através do protocolo PPPoE (PPP over Ethernet), e até transformar o Linux em um servidor de Internet para a sua rede local. A comunicação com o modem ADSL é feita pelo pacote rp-pppoe, série n, na distribuição da SuSE. Para utilizar o PPPoE, o seu kernel deve ter suporte a encapsulamento de IP (O kernel default da SuSE possui).
A configuração pode ser feita pelo YaST2 (SuSE 8.0) ou pelo script adsl-setup, a configuração é salva no arquivo: /etc/ppp/pppoed.conf
Utilize o script rcadsl para gerenciar a conexão.
O pacote rp-pppoe vem com os scripts adsl-setup, adsl-start, adsl-stop e adsl-status. Após a configuração, se você estiver utilizando o modem 3Com HomeConnect, habilite a opção
PPPOE_EXTRA="-f 3c12:3c13 -s ISP" no final do arquivo /etc/ppp/pppoe.conf

A última versão do pacote rp-pppoe você encontra no site oficial do Roaring Penguin)

2.4.4. Cable Modem

O acesso à Internet usando cable modem é feito via rede da TV a cabo (CATV), em parceria com um provedor de acesso. Para conhecer mais o sistema de cable modem acesse a página: Cable-Modems.org
O que você precisa é ter um placa de rede e configurar a placa como cliente DHCP.
Abaixo você tem o procedimento para configuração no Linux:
  1. Caso você já possua uma placa de rede instalada, vá para o ítem 8.
  2. Faça login como usuário 'root', e inicie o YaST.
  3. Selecione o menu:
    System Administration -> Integrate hardware into system -> Configure networking device
  4. Na opção Network type, entre com eth0.
  5. Na opção Networking device type, selecione sua placa.
  6. Na opção Modules options, entre com parâmetros tais como porta de IO, IRQ, etc.
    Atenção: se você possui uma placa PCI, geralmente não é preciso digitar nenhum parâmetro.
  7. Pressione Continue para retornar ao menu principal do YaST.
  8. Vá até o menu:
    System Administration -> Network configuration -> Network base configuration
  9. Agora selecione um número livre, por exemplo, 0.
  10. Tecle F5 e selecione o dispositivo Ethenet.
  11. Tecle F3 e escolha DHCP
  12. Tecle F4 para ativar o dispositivo.
  13. Tecle F10 para salvar a configuração.
  14. Você agora pode ativar sua rede com o comando:
    earth: # rcdhclient start
    Então você poderá testar o acesso, por exemplo com
    lynx http://www.linuxsupport.com.br
Uma alternativa para este método - se seu IP, máscara de rede e gateway são conhecidos, e são estáticos - é fazer uma configuração de rede fixa. Procure saber do seu operador de cabo, se o seu IP é fixo.
A vantagem de uma configuração fixa: Se existe uma falha no acesso ao cabo no boot, o processo de boot irá continuar normalmente, e assim que o problema for solucionado, você poderá imediatamente acessar a Internet.


Copyright © 2001-2007 HMarx - webmaster@linuxsupport.com.br